O CLUBE






Em consequência de uma dissensão na sociedade, surgiu aos 23 de março de 1913 o Clube dos Diários. Contava entre seus primeiros presidentes: Francisco da Costa Freire, Couto Fernandes, Eduardo da Rocha Salgado, Luciano Martins Veras, Eliezer Studart da Fonseca – a mais atuante presidência que dirigiu o clube por um largo período de mais de trinta anos -, Fernando Eduardo Benevides e Evandro Salgado Studart da Fonseca. Mudanças de endereço - Em 1956, a sede foi transferida para a Beira Mar.

O Clube dos Diários preenchia a vida social de Fortaleza com charme e elegância. Grandiosos bailes, apresentações musicais, exposições de pintura ocorriam em seus salões. Acompanhando o desenvolvimento tecnológico, sua diretoria procurava oferecer aos seus associados, o que de mais moderno pudesse ser encontrado na área de lazer e entretenimento. Sob a presidência de César Rossas, em agosto de 1931, foi instalado um cinematógrafo no clube, na antiga sala de bilhar. O cinema contava com 200 cadeiras e as sessões eram quinzenais, exclusivamente para sócios, com danças e distribuição de doces e refrescos, no intervalo e após o término das sessões. Até o final dos anos 20, a vida social e elegante da cidade era conduzida pelos dois clubes: Iracema e Diários. Esses, rivalizavam na apresentação de suas festas, principalmente nos tempos carnavalescos. Seus salões eram alugados pelos clubes menores, sem sede própria, para os bailes vesperais. Com seu entusiasmo e alegria contagiante, essas associações recreativas movimentavam os carnavais de então.

A grande animação ficava por conta do pré-carnaval, com seus “assaltos” e deliciosas “matutadas”, organizadas por grupos carnavalescos, filiados aos dois clubes, nas residências de pessoas a eles ligadas. Por vezes, foi o Clube dos Diários o responsável pela abertura dos festejos de Momo, como em janeiro de 1931, com o grito de carnaval, organizado pelo Dr. Pedro Sampaio, com os blocos das Colombinas, dos Pierrôs e dos Arlequins. Membros de sua diretoria, como Fernando Benevides e Afonso Feijó, compunham com Fernando Pinto, do Ideal Clube e Odorico de Moraes, do Iracema, os grandes animadores do antigo Carnaval de Fortaleza. Na segunda metade do século XX, o Clube dos Diários, numa forma de sobrevivência, fundiu-se com o Clube Iracema constituindo o Clube Diários – Iracema.

Mudanças de endereço -- Em 2003, aos 90 anos a sede foi transferida para as Dunas da praia do Futuro.

"Clube dos Diários"

Atualmente ao longo destes 98 anos o Clube dos Diários consolida sua história nos dias atuais, como sendo um dos mais importantes clubes sociais do Ceará e do nordeste. Desde sua formação inicial com alguns amigos que se encontravam diariamente na Praça do Ferreira, até hoje, são 98 anos de uma história fantástica de superação, organização e respeito aos sócios.

Nossa tradição de prestamos serviços de qualidade e segurança para nossos sócios tem influenciado muitas gerações de famílias cearenses e têm sido nosso principal intento de gestão, sem abrir mão do controle de nossos gastos e de nossas limitações institucionais.

É inegável o avanço de nosso Clube ao longo da historia, mas ainda temos muito a fazer e sempre devemos estar atentos as transformações políticas, sociais e econômicas do nosso país, estado e cidade.

A cada dia se apresentam novos desafios, mas o maior deles é manter o Clube dos Diários com a mesma tradição mais sempre inovando e acompanhando as evoluções da sociedade.

Na presidência Manoel Pereira de Morais Filho diz: como passa rápido o tempo, bem que diziam meus caros Ex-Presidentes, que o ano em que você preside o Clube não transcorre, voa! Temos que administrar o tempo – e muito bem. Conhecendo um pouco da história do nosso clube que breve completará 100 anos de fundação e se Deus assim permitir vamos realizar uma bela festa.

Maria do Carmo Albuquerque Vieira
Tesoureira Geral